Crianças têm aula sobre meio ambiente ao ar livre

Por: Mariana Campos – macampos@sorocaba.sp.gov.br

Durante todo o dia foram realizadas visita monitoradas, oficinas e exposições para tratar da biodiversidade do rio Sorocaba e a migração dos peixes

Em vez de sala de aula, alunos do Colégio Iguatemi e da E.E. “Prof. Flavio Gagliardi” tiveram nesta terça-feira (dia 24) uma aula sobre meio ambiente ao ar livre. O local escolhido foi a Praça da Biodiversidade, cenário ideal para as atividades do evento “Conectando rios, peixes e pessoas”. Um espaço estratégico para a sensibilização do público na questão da relevância da biodiversidade no município, pois está localizado na marginal direita do rio Sorocaba, entre as pontes do Pinga-Pinga e Fernando de Luca.

A programação foi realizada pela Prefeitura de Sorocaba, por meio da Secretaria do Meio Ambiente (Sema), para comemorar o Dia Mundial da Migração de Peixes (24 de maio). Trata-se de uma iniciativa global, com eventos locais em todo o mundo. O objetivo é sensibilizar sobre os impactos ecológicos do represamento dos rios, sobre os peixes migratórios – que são aqueles que sobem até a cabeceira dos rios para a desova -, além de facilitar a compreensão do público em geral sobre a importância dos rios sem represamentos, dos peixes migratórios e as suas necessidades para a população.

“Estas atividades educativas fazem parte de um evento mundial, que Sorocaba está participando junto a outras 70 cidades do mundo todo. A ideia é fazer com que as pessoas pensem um pouco sobre a importância da biodiversidade no rio e os impactos negativos da interferência humana nos leitos dos rios”, afirma o chefe de Educação Ambiental da Sema, Rafael Castellari.

A migração de peixes é crucial para a preservação das espécies, garantindo a biodiversidade dos rios. A maioria das espécies migratórias nada centenas de quilômetros nos rios em busca de alimento e para se reproduzir, completando o seu ciclo de vida. O problema é que em muitos mananciais existem barreiras, como diques, barragens e açudes, assim como a canalização de rios, que afetam a migração dos peixes podendo diminuir e até extinguir espécies.

Para a coordenadora pedagógica do Colégio Iguatemi, Patricia Eiras, a atividade é muito interessante. “Os nossos alunos de 3 a 10 anos de idade têm aula de educação ambiental e a própria escola tem um espaço verde bacana para desenvolver atividades. Acho muito bacana essas saídas pela cidade com o intuito pedagógico”, destaca.

A professora de educação ambiental, Giuliana Metidieri, que também acompanhou os alunos na Praça da Biodiversidade estava confiante na aprendizagem deles. “Esta turma já aprendeu sobre os biomas brasileiros. Na semana passada trabalhei Cerrado e na próxima será a Mata Atlântica. Eles adoram essas atividades fora da sala de aula. Desta forma eles vivenciam e aprendem na própria cidade e isto é muito bom”, enfatiza.

Sobre as atividades

Na visita monitorada, a equipe da Sema apresentou o espaço e a sua importância para o município, abordando a relevância dos biomas Cerrado e Mata Atlântica, dos ambientes alagados e das lagoas marginais, bem como das abelhas polinizadoras nativas e sem ferrão para o meio ambiente.

Na exposição “Plantas que limpam a água”, as crianças curiosas puderam conhecer as características de diferentes espécies de plantas e suas funções. Uma das plantas expostas foi o aguapé, que tem a capacidade de limpar o solo e a água contaminada. Outra espécie foi a taboa, com a capacidade de absorver metais pesados e outros poluentes da água, capaz de participar do sistema de purificação de água e esgoto. “O nosso objetivo aqui é apresentar a eles o serviço que estas espécies prestam ao meio ambiente e todos os seus recursos”, explica o técnico ambiental da Sema, José Carmelo de Freitas Júnior.

Já na exposição “Animais do rio Sorocaba”, os estudantes conheceram características e curiosidades de algumas espécies da fauna que vivem no entorno do rio Sorocaba e dependem dele para viver, como o jacaré-de-papo-amarelo, cará, lambari, papagaio-verdadeiro, biguá, irerê, ratão-do-banhado, entre outros. A equipe de Educação Ambiental ainda abordou a importância dos rios, a função dos refúgios da biodiversidade, a migração dos peixes e as espécies que habitam o rio Sorocaba e sua relação com a fauna do entorno.

Junto à exposição, eles ainda participaram de uma pescaria lúdica. Divididas em grupos, as crianças “pescavam” um peixe simbólico em uma piscina plástica. Cada peixe continha um número referente a uma pergunta sobre o tema do evento. O intuito foi de sensibilizar as crianças para a importância do rio Sorocaba.

Além disso, as crianças ainda participaram de oficinas educativas de artesanato e de confecção de fantoches. Na primeira, elas aprenderam a confeccionar peixe com palha de taboa. Na segunda, as crianças assistiram a uma peça de teatro com fantoches, que tratou sobre a importância do rio e sua biodiversidade. Depois, confeccionaram sapos com caixas de leite e suco (tipo longa vida), reconhecendo, pela arte, quais são os principais animais da biodiversidade local.

Outra aluna do Colégio Iguatemi a participar do “Conectando rios, peixes e pessoas” foi Giovana Fonseca de Jesus, 9 anos. “Achei muito legal e bem divertido. Fizemos um sapo utilizando material reciclado e conheci alguns animais que nem sabia que existia no rio Sorocaba”, contou a garota. Assim, de froma lúdica, também são incentivadas a reconhecer a importância do reaproveitamento de materiais no dia a dia, como uma maneira de cuidar do meio ambiente.

Tags:,