Endereço: http://agencia.sorocaba.sp.gov.br/dia-mundial-dos-crocodilianos-e-celebrado-no-zoo/
Acessado em: 17/11/2017 - 21h00

Dia Mundial dos Crocodilianos é celebrado no Zoo

Por: Bia Negrão

O Wally, um jacaré-açú de aproximadamente 45 anos, morador do Zoológico Municipal “Quinzinho de Barros” há mais de 40, foi a grande atração deste sábado (17), em que se comemora o Dia Mundial dos Crocodilianos. A homenagem é da Secretaria do Meio Ambiente, Parques e Jardins que, na próxima quarta-feira (21) prepara uma série de atividades no zoológico. O Dia Mundial dos Crocodilianos – representados pelos chamados jacarés, crocodilos e gaviais – é celebrado em 17 de junho.

Os  visitantes do zoológico puderam apreciar o Wally que nadou perto da borda do lago e se aqueceu ao sol. Para Francine Duo de Oliveira Santos, o passeio no zoo é uma diversão para os filhos e ver o jacaré-açu tão de perto valeu a manhã. “É sempre muito bom vir aqui, as crianças gostam e lindo ver o jacaré assim, de perto, tão grande, é muito bom!”, falou Francine.

O Jacaré-açu solto em seu habitat natural vive aproximadamente 80 anos e em cativeiro tem uma expectativa de vida de até 100 anos, de acordo com relatos e registros publicados. A espécie tem hábitos alimentares carnívoros, se alimentando de peixes, pequenas aves e mamíferos. Antônio Prieto Neto, médico veterinário do Zoológico de Sorocaba, ressalta que o Wally tem em seu cardápio uma dieta bem variada, não recusando alimentos que estão disponíveis na natureza. “Ele se alimenta de pequenas aves e animais desavisados que se aproximam do lago em que reside. Também são fornecidos a ele, proteína de origem animal, fígado e coração bovinos”, contou Prieto.

Os jacarés costumam com frequência se aquecer com o primeiro sol da manhã, pois é um animal de sangue frio, e tem pouca capacidade de se aquecer.

Para comemorar o Dia Mundial dos Crocodilianos, na próxima quarta-feira (21) serão realizadas duas atividades no Zoo de  Sorocaba:

– Das 9h30 às 16h30 terá a exposição “Espécies brasileiras de crocodilianos”: A exposição acontecerá no ônibus da Educação Ambiental, com exemplares taxidermizados (empalhados) e peças biológicas de algumas espécies brasileiras de crocodilianos.

–  Às11h, 14h, 15h e 16h acontecerá a “Hora do bicho” do jacaré-açu: Breve explicação, em frente ao recinto do jacaré-açu, sobre características e curiosidades desta espécie e do indivíduo que vive no zoo.

Dia Mundial dos Crocodilianos

O Dia Mundial dos Crocodilianos é uma campanha global de conscientização e sensibilização, com o intuito de chamar atenção das pessoas para a situação das espécies de crocodilianos em todo o mundo.

Os crocodilianos são animais carnívoros que surgiram na Terra há aproximadamente 80 milhões de anos. Possuem um corpo alongado coberto por escamas e uma cauda longa e forte, que é muito importante tanto para sua defesa quanto para sua locomoção. Geralmente vivem em rios e lagos de água doce, mas algumas espécies podem ser encontradas vivendo na água salgada. Costumam passar a maior parte do tempo na água, no entanto, como são répteis e não possuem uma temperatura corporal constante, também gostam muito de ficar tomando sol nas margens.

Mundialmente existem 23 espécies de crocodilianos, Já no Brasil, existem 6 espécies, todas de jacarés, ou seja, apesar de muita gente pensar o contrário, não existem crocodilos no Brasil. As espécies  brasileiras são: Caiman crocodilus, Caiman latirostris, Caiman yacare, Melanosuchus niger, Paleosuchus palpebrosus e Paleosuchus trigonatus. A espécie Melanosuchus niger, popularmente conhecida como jacaré-açu, é a maior do Brasil, chegando a pesar 300 quilos.

Atualmente as espécies brasileiras não possuem riscos imediatos de extinção, no entanto, elas merecem uma atenção especial, pois além de possuírem uma significância cultural e econômica para comunidades indígenas e tradicionais, elas também sofrem pressões como a perda e alteração de seus habitats e a caça ilegal para comércio de sua carne. Desta forma, a realização de ações aplicadas à conservação destas espécies (como pesquisas, monitoramento e educação socioambiental), é fundamental.