Endereço: http://agencia.sorocaba.sp.gov.br/exposicao-abelhas-uma-fonte-de-vida-sera-no-jardim-botanico/
Acessado em: 17/10/2017 - 15h15

Exposição “Abelhas, uma fonte de vida” será no Jardim Botânico

Por: Bia Negrão

“Abelhas, uma fonte de Vida” é o tema da exposição do fotógrafo Sidney Cardoso que será exposta no Palacete de Cristal do Jardim Botânico “Irmãos Villas-Bôas”. Os visitantes poderão conferir à partir de sábado (22) até o dia 07 de maio, de terça a domingo, das 9h às 17h. A exposição é gratuita.

Na exposição, o público poderá conferir imagens de abelhas em seu ambiente natural, além de fotos do inseto sendo manejado racionalmente pelo homem em apiários e meliponários – lugar de coleção e cultivo de abelhas nativas sem ferrão. Além das fotos, também estão expostos painéis educativos sobre o tema.

“Essa atividade faz parte das ações desenvolvidas pela área de Educação Ambiental e tem por objetivo restabelecer o contato da população com a natureza e a responsabilidade de conservar as abelhas nativas”, destacou Jessé Loures, secretário de Meio Ambiente, Parques e Jardins.

A ação fará parte da programação do CICLO SIETE, que é uma semana dedicada a trabalhar questões de sustentabilidade junto à sociedade, com o intuito de despertar um olhar crítico de cuidado com o meio ambiente e gerar consciência sobre temas socioambientais e econômicos regionais.

O Jardim Botânico está localizado na Rua Miguel Montoro Lozano, 340, no Jardim Dois Corações.

Sobre as abelhas

As abelhas são insetos sociais que vivem em colmeias e que ensinam, em seu trabalho diário, uma das mais belas formas de se viver em harmonia com o ambiente. Elas são responsáveis pela polinização, que faz parte do ciclo de reprodução das plantas, e muitas dessas vivem de forma dependente destes insetos.

Existem, em todo o mundo, cerca de 25 mil espécies de abelhas espalhadas por quase todos os continentes. Curiosamente, em torno de 95% são espécies solitárias, ou seja, aquelas que não se unem a um grupo comum, enquanto que as demais podem chegar a 200 mil abelhas em uma só colmeia. Tais colmeias têm uma diversidade de tamanhos, algumas chegam a medir apenas 2mm, outras chegam a mais de 2,5cm. Poucas espécies possuem ferrão, a mais conhecida delas é a exótica da espécie Apis mellifera, conhecida popularmente como africanizada, européia ou, ainda, abelha do mel, esses apelidos demonstram sua grande agressividade e a alta produção de mel.

Estima-se que existam em torno 400 espécies de abelhas sem ferrão/abelhas indígenas de origem brasileira, que vivem em colmeias que possuem um sistema de vida organizacional interessante. Além dessas brasileiras, há ainda em nosso território, outras 3 mil espécies de abelhas, sendo a maior parte delas do tipo solitárias. As abelhas indígenas são espécies que, apesar de possuírem seu sistema de defesa, não apresentam agressividade alguma. Elas ainda têm o benefício de produzirem um mel muito saboroso e de alto valor comercial, sendo inclusive utilizado no sistema medicinal.

Em escala econômica, os serviços ecossistêmicos de polinização são valorados a razão de 10% do PIB agrícola, um expressivo montante que chega a 200bi/ano no mundo. Sua importância também expressa a geração de 1/3 de todos os alimentos que chegam em nossas mesas. As abelhas correspondem a 70% das culturas agrícolas. Em contrapartida, estudos apontam declínios dessa produção devido à ação do homem, que provoca desmatamento, dispersão de agrotóxicos em lavouras agrícolas, resultando na mortalidade em massa das abelhas. Nos centros urbanos, por sua vez, os problemas são outros, o fumacê contra a dengue, por exemplo, vem causando sérios problemas à vida das abelhas. Atividades que sensibilizem para a conservação desses insetos e promovam a criação de abelhas nativas são importantes no processo de valorização dos diversos benefícios provenientes da existência das espécies. Valores que as definem naturalmente como bioindicadoras, engenheiras, arquitetas, médicas, patriotas, guardiãs e por fim, trabalhadoras incansáveis com o objetivo de manter a sua espécie.