Metareciclagem completa 10 anos com 600 computadores doados

Por: Lucas Monteiro (Programa de Estágio) Supervião - Neide Barbosa

Foto: Fernando Abreu

O projeto Metareciclagem, ligado à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Renda (Sedeter), da Prefeitura de Sorocaba, completa no dia 15 de outubro, 10 anos de atividades, registrando uma marca expressiva de atuação: já recuperou perto de 600 kits de computadores que foram doados a entidades beneficentes da cidade por meio do Fundo Social de Solidariedade do município. Cada kit é composto por uma CPU (gabinete), teclado, cabos, mouse e monitor, e tudo fruto do descarte de produtos eletroeletrônicos feito pela população e por empresas não só de Sorocaba como de toda a região.
Certificada com o ISO 9001 – designação de um grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de gestão da qualidade para organizações em geral -, o projeto do Metareciclagem ainda funciona como espaço gratuito para auxiliar na inclusão digital da população, o chamado Telecentro Comunitário, onde são disponibilizados xerox gratuito de currículos e documentos de cidadania, trabalhos escolares, assim como imprimir boletos, antecedentes criminais, inscrições para concursos públicos, Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), programas sociais como o “Minha Casa, Minha Vida”, além de auxiliar na busca por vagas de emprego. Oferece ainda o acesso gratuito à internet uma vez ao dia durante uma hora.
Contando com uma equipe pequena, o projeto teve apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação (MCTIC), durante cinco anos, que auxiliava com a disponibilização de equipamentos, dentre eles: servidor, impressoras, antena parabólica para internet via satélite, Datashow e mobiliário, além de suporte técnico da empresa Positivo durante os três primeiros anos.
De acordo com o coordenador do Metareciclagem, Gilberto Vieira, a finalidade do projeto não é só de recolher o material que seria jogado na natureza. “Nós buscamos ajudar o cidadão em pequenas coisas que, às vezes, ele não tem acesso, então nosso trabalho vai além da recuperação do lixo tecnológico”, explica.
Mas o que chama atenção no projeto Metareciclagem é o trabalho de recuperação do lixo eletroeletrônico que seria descartado no meio ambiente, diz Gilberto Vieira. Conforme Vieira, o programa recebe doações de hospitais, universidades, empresas e pessoas físicas, onde é realizada a reutilização de peças e montados novos equipamentos. “Todo o lixo eletroeletrônico que recebemos é avaliado e recuperado por técnicos que são formados pelo próprio projeto dando forma aos novos equipamentos. Depois, destinamos esses computadores ao Fundo Social de Solidariedade. Cabe ao Fundo fazer a doação dos kits para as entidades beneficentes da cidade”, informa o coordenador do projeto.

Responsabilidade ambiental

Além do trabalho de reciclagem, o projeto visa estimular a conscientização para o descarte correto do lixo tecnológico, já que esse material tem em seus componentes metais pesados derivados de ouro, prata, cobre e outros que, quando depositados de modo irregular e expostos ao sol e à chuva, liberam partículas que podem contaminar o solo e degradar o meio ambiente.
Toda ação de responsabilidade ambiental do Metareciclagem, já rendeu, inclusive, ao projeto até uma premiação pelo Selo Social, entregue pela Secretaria de Cidadania e Participação Popular (Secid). “Recebemos muitas doações e sei que ainda podemos fazer mais pelo meio ambiente e, por consequência, para as entidades que acabam recebendo esses equipamentos. A divulgação do trabalho que desenvolvemos tem sido de extrema importância, pois resíduos eletrônicos não podem ser misturados com resíduos domésticos”, comenta Vieira.
Ainda segundo Gilberto Vieira, até agosto deste ano, 44 empresas haviam doado equipamentos obsoletos ou quebrados ao Metareciclagem, além do público em geral que faz esse descarte. “Foram 30 toneladas de material destinadas à reciclagem e descarte correto só em 2018”, esclarece.
A presidente do Fundo Social de Solidariedade (FSS) e primeira-dama, Lilian Crespo, que mantém a parceria com o projeto desde 2010, argumenta que são ações desse tipo que melhoram a cidade e toda a sociedade. “É um trabalho que não tem preço, toda a ação do Metareciclagem é fundamental, sem eles tudo isso não seria possível, então só temos a agradecê-los”, afirmou a primeira-dama.
De acordo com o secretário de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Renda (Sedeter), Robson Coivo, essas ações colocam Sorocaba no caminho do desenvolvimento sustentável. “A cidade está na rota do crescimento, que não vem por acaso. Isso é resultado do trabalho que estamos fazendo, no sentido de, cada vez mais, torná-la uma cidade com melhor qualidade de vida, atração de investimentos, geração de empregos e sustentabilidade”, disse.
Uma das propostas da secretaria é ter, novamente, a realização de cursos profissionalizantes Coivo diz que a importância desse trabalho social do Metareciclagem também está na geração de empregos. “O foco da nossa secretaria é fazer com que as pessoas se sintam bem em ter essa profissionalização e não se deixarem abater perante a crise, isso, além de trazer dignidade para as pessoas e que irá fazer com que a cidade cresça”, pontua o secretário Robson Coivo.
O projeto Metareciclagem fica localizado na Avenida Nove de Julho, nº 1066, Vila Barão, e atende de segunda a sexta-feira 7h30 às 11h30 às 16h30 de segunda à sexta-feira. As informações podem ser obtidas pelo telefone (15) 3417-3825 ou ainda pelo e-mail meta.recicla@gmail.com. As informações sobre o Projeto podem ser conferidas pelo blog http://metareciclagemdesorocaba.blogspot.com

Tags: