Prefeito Crespo determina cronograma para atingir 40 Residências Terapêuticas até março

Por: Marcelo Almeida Jr

A Prefeitura de Sorocaba, a partir do mês de março, terá 40 Residências Terapêuticas na cidade. Anteriormente, Sorocaba possuía 26 Rts, mas a partir dessa semana, se iniciou um cronograma para a ativação de mais 14 unidades. Na segunda-feira (19) foram ativadas duas unidades e mais cinco serão ativadas até sexta-feira (23). Até março a previsão é que as 14 estejam em funcionamento. Estas unidades receberão os pacientes que estão aptos a ter alta do Hospital Psiquiátrico Vera Cruz e os pacientes sorocabanos que encontram-se nos hospitais psiquiátricos das cidades de Salto de Pirapora e Piedade. Ao todo, as 14 residências terão 140 vagas para moradores adultos, homens e mulheres. Atualmente a Raps (Rede de Atenção Psicossocial) de Sorocaba possui 28 RTs, com 252 moradores.

As altas dos pacientes têm ocorrido praticamente toda semana e fazem parte do processo de desinstitucionalização da Saúde Mental na região de Sorocaba, um compromisso público firmado por meio de um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) assinado entre municípios, Ministério Público, Secretarias Municipais e Estadual da Saúde e Ministério da Saúde. Em Sorocaba, esse processo já resultou na desocupação e fechamento de hospitais psiquiátricos e na transferência de moradores para o Polo de Desinstitucionalização Vera Cruz. Atualmente, o hospital conta com 123 pacientes.

A atual coordenação da Saúde Mental da Prefeitura de Sorocaba tem atuado diretamente no processo ajudando a localizar a origem dos pacientes, fazendo contato com familiares e os municípios identificados. A equipe da coordenação também auxilia os gestores das cidades contatadas para que possam tomar as providências necessárias, como abertura de residências terapêuticas e centros de atendimento psicossocial (Caps) para providenciar a alta e a transferência dos pacientes.

Ao serem transferidas para as Residências Terapêuticas essas pessoas terão resgatado o direito de viver em sociedade, com responsabilidades do cotidiano e com liberdade para ir e vir. “Elas poderão vivenciar a rotina doméstica, além de viver em comunidade, dividindo as casas com outras pessoas e concretizando uma importante conquista social”, relatou a coordenadora da Saúde Mental, Fernanda Biudes Consul.

As Residências Terapêuticas foram instituídas pela Portaria/GM nº 106 de fevereiro de 2000 e são parte integrante da Política de Saúde Mental do Ministério da Saúde. Esses dispositivos, inseridos no âmbito do Sistema Único de Saúde/SUS, são centrais no processo de desinstitucionalização e reinserção social dos egressos dos hospitais psiquiátricos.

Tags: