Projeto busca auxiliar funcionários a abandonar o tabagismo

 

A proposta, inicialmente aplicada junto aos funcionários do Saae, surgiu dentro da Secretaria de Políticas Sobre Drogas

e deve ser estendida a outros setores públicos como forma de colaborar no combate ao uso do cigarro.

 

A busca por implementar ações que promovam a qualidade de vida dos trabalhadores, auxiliando na eliminação das dependências químicas, como a do cigarro, foi o ponto de partida da ação “Novos Hábitos” que a Prefeitura de Sorocaba, por meio da Secretaria de Políticas Sobre Drogas (Sepod) e o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE), instituíram junto aos funcionários da autarquia nesta semana.

Em parceria com professores e alunos do curso de Biomedicina da Universidade de Sorocaba (Uniso), foi apresentado aos funcionários do Saae um método natural de combate ao uso do tabaco baseado na medicina tradicional, a auriculoterapia. O “Novos Hábitos” incrementa as ações já realizadas pelo Saae Sorocaba que mantém um trabalho de apoio de combate à adicção por substâncias psicoativas. A nicotina contida no cigarro é classificada nesta categoria pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

De acordo com o chefe da Seção de Reinserção no Mercado de Trabalho, da Sepod, Gabriel Bignardi, o objetivo do tratamento, que tem duração de 8 semanas, é auxiliar na mudança de comportamento dos fumantes de modo a que consigam se livrar do vício. A auriculoterapia é uma técnica de acupuntura que utiliza pontos específicos da orelha para combater sintomas de doenças das mais diversas naturezas. A acupuntura, por sua vez, é um dos mais antigos métodos terapêuticos com registro de aplicação na China, 3 mil anos antes de Cristo.

Enquanto projeto piloto da Secretaria de Políticas Sobre Drogas, o “Novos Hábitos” vai aplicar uma pesquisa de campo simultânea ao tratamento, como base de tabulação de dados. “A ideia é, posteriormente, levar o trabalho a todos os servidores municipais por meio das pastas e mesmo da Funserv (fundação de seguridade pública)”, contou Bignardi. Segundo ele, o projeto desenvolvido pela Sepod tem o apoio do corpo docente da Uniso e segue orientações de pesquisa e implementação da OMS.

A aplicação do tratamento acontece a partir do dia 21 de outubro e a participação dos funcionários do Saae é facultativa. Os atendimentos serão realizados às segundas-feiras, das 13h às 17h, com o apoio do serviço psicológico da autarquia. Bignardi comenta que cada sessão de auriculoterapia – que será feita com sementes, dura em torno de 20 minutos. “A pessoa fica uma semana com elas e depois os alunos e professores farão a substituição”, explicou.

Tags:,