Secretaria de Saúde promove 1º Encontro Temático sobre saúde do Homem e Política Nacional de Saúde da População Negra

Por: Thuanne Souza (Programa de Estágio) Supervisão Marcelo Almeida Jr.

Foto: Fernando Abreu

A Secretaria de Saúde (SES), da Prefeitura de Sorocaba, por meio do Núcleo de Educação Permanente em Saúde, formado em julho deste ano, realizou nesta sexta-feira (23), no Teatro Municipal Teotônio Vilela (TMTV), o 1° Econtro Temático sobre saúde do Homem e Política Nacional de Saúde da População Negra: Caminhos para a Saúde Integral, com intuito de capacitar os profissionais e mobilizar as equipes das Unidades Básicas de Saúde (UBS) a rediscutir o processo de trabalho e se reorganize dentro de sua unidade.

Formado em julho deste ano, por gestores e trabalhadores da saúde, o Núcleo de Educação Permanente em Saúde tem por objetivo promover o máximo de treinamentos ao longo do ano aos profissionais da saúde, seja de atualização temática, ou educação permanente.

O encontro contou com palestra do médico Lúcio das Neves e a enfermeira Renata de Oliveira, que tratou pontos específicos da saúde da população negra. A abertura ficou por conta das músicas do Projeto Quilombinho, trazido por parceria com a Ouvidoria da Saúde.

“Esse treinamento sobre a saúde do homem e da saúde da população negra está sendo feita no mês de novembro por ser o novembro azul, mês de conscientização e prevenção ao câncer de próstata, e por comemorar também o Dia da Consciência Negra”, explica Fernanda Vieira, articuladora de educação permanente e saúde da SES.

O treinamento específico da política nacional da saúde da população negra foi planejado juntamente à Coordenadoria de Igualdade Racial, da Secretaria de Cidadania e Participação Popular (Secid) e o Conselho de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra de Sorocaba que finalizou o evento e abriu para o esclarecimento de dúvidas.

O evento chamou bastante a atenção para que os profissionais consigam olhar para a questão racial e trabalhar contra o racismo institucional, que muitas vezes não é reconhecido.

Fernanda ainda diz que esse tema de preconceito institucional precisa ser conversado muito, o quesito raça e cor, em todos os atendimentos de saúde ainda é uma informação muito sonegada. “Isso vem para mostrar para gente o quanto o próprio funcionário, tem dificuldades em falar sobre o assunto, por isso estamos desenvolvendo essa capacitação, para que os profissionais tenham a informação, o por que de a nossa população negra estar adoecendo, e fazer a diferença na forma de atende-los”, completa.

Já sobre a parte da saúde do homem Lúcio das Neves falou sobre as principais causas de morte da população masculina e alertou o atendimento dos profissionais desde o acolhimento do paciente, como deve ser feita a criação de um vínculo para que não se perca esse paciente, atender ele utilizando a abordagem familiar, e como proceder com o seu atendimento, e tratamento em situações de risco.

Estiveram presentes três representantes de cada unidade e equipe de saúde, dentre eles, técnicos de enfermagem, enfermeiros, médicos, pessoas da equipe multiprofissional, educadores físicos, nutricionistas, farmacêuticos entre outros profissionais.

Tags: