Sorocaba produz suas listas de espécies exóticas e ameaçadas

Por: Mariana Campos – macampos@sorocaba.sp.gov.br

Segundo a Sema, a ideia é finalizar o trabalho até o fim do ano, com uma publicação

Pensando na biodiversidade da flora e da fauna em Sorocaba, a Prefeitura de Sorocaba deu mais um passo significativo. Na manhã desta quinta-feira (dia 16), a Secretaria do Meio Ambiente (Sema) realizou um workshop no Jardim Botânico “Irmãos Villas-Bôas”, com a participação de aproximadamente 30 pesquisadores, estudantes e profissionais da área, que deram início à elaboração de listas de espécies exóticas invasoras e ameaçadas da cidade e ainda das chamadas espécies-bandeira, esta última utilizada em campanhas de Educação Ambiental.

O objetivo é criar um instrumento, que forneça diretrizes para políticas públicas na questão da biodiversidade, com ações de manejo e conservação das espécies. A ideia da Secretaria do Meio Ambiente é que até o final deste ano estas listas estejam finalizadas e sejam publicadas, possivelmente em forma de decreto municipal. A atividade fez parte da programação especial em comemoração ao Dia Mundial do Meio Ambiente (5 de junho).

“Um dos nossos objetivos não é apenas produzir conhecimento, mas também compartilhar informações e evoluir nas questões ambientais. Com este trabalho poderemos ter uma visão completa da biodiversidade de Sorocaba”, destacou o secretário do Meio Ambiente, Clebson Ribeiro, na abertura do evento.

O titular da pasta ainda ressaltou a importância desse trabalho não só para a cidade, mas para toda a Região Metropolitana de Sorocaba (RMS). “Sorocaba é sede da Região Metropolitana e é uma grande oportunidade desenvolver uma ação ambiental num momento que ainda é possível, já que somos uma região de pouco desenvolvimento econômico, caso comparado a outras regiões”, salientou.

Pioneirismo

O diretor de Educação Ambiental da Secretaria do Meio Ambiente, Welber Smith, agradeceu a parceria com pesquisadores, estudantes e profissionais do setor. “A parceria com a academia é muito importante. Não conseguiríamos realizar nenhuma das nossas publicações ou listagens sem a colaboração de vocês. Obrigado por estarem com a gente nesta nova empreitada”, enfatizou.

De acordo com o diretor de Área, Sorocaba mais uma vez é pioneira em iniciativas ambientais. “Este é um trabalho feito normalmente na esfera estadual ou nacional”, destacou Welber.

Antes de dar início aos trabalhos, ele ainda falou sobre as ações, programas e projetos da Sema, como o Programa “Sorocaba, a cidade da Biodiversidade” e seus projetos prioritários, o Programa Arboriza Sorocaba, o trabalho desenvolvido pela Patrulha Ambiental Municipal e a produção e doação de mudas de árvores, entre outras.

Listas da fauna e flora sorocabana

Divididos em dois grupos – flora e fauna -, os participantes do evento deram início às discussões. Para isso, foram utilizados estratégias e critérios da Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN), criada em 1964, e que até hoje é considerado o maior catálogo sobre o estudo de conservação de plantas, animais, fungos e protozoários em todo o planeta.

Para direcionar o trabalho, foram usadas listas já existentes no livro “Biodiversidade do Município de Sorocaba” e em outras pesquisas realizadas no município, incluindo no Parque Natural Municipal Corredores da Biodiversidade “Marco Flávio da Costa Chaves”. Para dar início à elaboração da lista da flora foi utilizada também uma relação prévia enviada pela professora Fátima Conceição Marquez Piña-Rodrigues, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Na lista de espécies exóticas invasoras da fauna, foram incluídas cerca de 20 espécies, como tilápia, sagui-do-tufo-branco, javali e caramujo-africano. “O javali é um dos animais que está nos dando problemas no Parque da Biodiversidade e, em conversa com a Flona (Floresta Nacional de Ipanema), eles disseram que também estão com a mesma questão por lá”, afirma Welber Smith.

Entre as espécies exóticas invasoras da flora foram incluídas, por exemplo, a leucena, o pinus, a tiririca e a mamona. As espécies exóticas invasoras, por suas vantagens competitivas e favorecidas pela ausência de inimigos naturais, têm capacidade de se proliferar e invadir ecossistemas, sejam eles naturais ou antropizados (ação do ser humano sobre o meio ambiente), ameaçando o ecossistema, habitats e outras espécies.

Já entre as espécies de animais ameaçados foram listadas aproximadamente 30, como mão-pelada, gato-do-mato e cuíca-de-três-listras. Este último foi eleito o animal símbolo do Parque de Biodiversidade, graças a um trabalho de estudo de manejo ambiental realizado pela USP, em parceria com a Prefeitura de Sorocaba. Em fevereiro de 2012, pesquisadores encontraram, pela primeira vez, um exemplar da espécie na região de Sorocaba. Considerando-se o grau de ameaça, além de restrita, a espécie está na lista de animais ameaçados de extinção, numa categoria vulnerável.

Com relação às espécies da flora ameaçadas de extinção estão a espinheira-santa-verdadeira, a perobinha-do-campo e o pequi. Já entre as espécies-bandeira escolhidas estão o colhereiro, o irerê e a saracura, representando a fauna; e a paineira-rosa e o ipê-amarelo, a flora.

De acordo com Rafael Castellari, chefe de Educação Ambiental da Sema, os grupos de discussão vão continuar o trabalho de construção das listas e a ideia é finalizá-las até o final deste ano.

Tags:,