Vice-prefeita leva ao Estado proposta mais segura de acesso ao Carandá

Por: Eloy de Oliveira E-mail: eloydeoliveira@sorocaba.sp.gov.br

A vice-prefeita de Sorocaba, Jaqueline Coutinho, que comanda a força-tarefa da Prefeitura para agilizar a mudança de 2.560 famílias ao Residencial Carandá, levou, nesta sexta-feira (3), ao secretário de Estado de Logística e Transporte, Alberto José Macedo Filho, uma alternativa mais segura de acesso ao local para os moradores.

Na companhia dos secretários municipais de Habitação e Regularização Fundiária, Maurício Campanati, e de Planejamento e Projetos, Luiz Alberto Fioravante, a vice-prefeita mostrou com mapas que o trevo, proposto pelo governo do Estado, não é viável para o volume de tráfego e sugeriu o desdobramento dele em dois trevos.

“Nossa proposta é que haja uma via marginal e que o contorno seja feito de ambos os lados, mas alguns metros à frente em direção a Sorocaba e em direção a Porto Feliz, respectivamente. Dessa forma, os ônibus conseguirão fazer o contorno com mais segurança do que no trevo atual projetado pelo Estado, que ficou muito estreito”, disse ela.

O secretário Alberto José Macedo Filho disse entender que o projeto do trevo não possa ser alterado, pois a construção é decorrente de uma licitação em curso, mas Luiz Alberto Fioravante contra-argumenta que é possível mudar a concepção, sem mudar a proposta e mantendo os valores orçados antes do início da licitação do projeto.

Em razão da discordância, o secretário de Estado propôs que o assunto seja reanalisado entre ele e os técnicos do governo para que se aponte uma solução viável. Uma nova reunião foi marcada para a sexta-feira (10), às 11h, na secretaria em São Paulo, a fim de dar uma definição para a questão e avançar na entrega do residencial.

Para o secretário de Habitação e Regularização Fundiária, Maurício Campanati, o Estado precisa ter a mesma sensibilidade que o DER (Departamento de Estradas de Rodagem) teve ao analisar a proposta do governo José Crespo, apresentada pela vice-prefeita Jaqueline Coutinho, já que o órgão também entende que é possível mudar.

 

 

Definições do TAC

Em uma reunião realizada no gabinete do prefeito na quinta-feira (2) com os promotores estaduais Cristina Palma e Jorge Alberto de Oliveira Marum e o procurador federal Vinícius Marajó Dal Secchi ficou definido que todos envolvidos no projeto Carandá vão firmar um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta), a ser escrito na terça (7).

O termo vai definir quais equipamentos deverão estar prontos (escolas, creches, postos de saúde, de segurança, Cras – Centros de Referência e Assistência Social), em quanto tempo estarão construídos e qual órgão será o responsável pela construção, com as devidas punições para o descumprimento de qualquer item.

“Precisamos dar aos futuros moradores imóveis com as condições mínimas e isto exige investimentos dos governos do Estado e da União, além da Prefeitura. Nós já estamos fazendo a nossa parte, mas necessitávamos de um instrumento que obrigasse os outros dois entes envolvidos a fazer o mesmo e o TAC tem esse papel”, disse o prefeito.

 

Prefeitura segue cobrando a entrega

 

O prefeito José Crespo participará de reunião na Secretaria Nacional de Habitação, agendada na próxima quarta-feira (08), para tratar dos assuntos dos equipamentos públicos que faltam para entregar o condomínio à população.

O secretário de Habitação e Regularização Fundiária, Maurício Campanati, continua acompanhando as vistorias que são feitas pelo Banco do Brasil e reparos que a construtora realiza para liberar a entrega dos apartamentos.

Para a semana que vem está agendada uma reunião da Força-tarefa com a construtora que está fazendo a Altos de Ipanema, a Cury, e a Direcional, que finaliza o Carandá.

A partir da liberação e do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Ministério Público será possível montar o cronograma para que os contemplados façam as suas mudanças. Pelo TAC serão acordados a construção do trevo de acesso do Carandá e os equipamentos escolares e sociais.

 

Tags:,