“Todos Podem Ser Frida” prossegue até sexta-feira

Por: Mariana Campos – macampos@sorocaba.sp.gov.br

Foto: Assis Cavalcante

O público sorocabano pode conferir até esta sexta-feira (dia 30), das 9h às 16h30, a exposição “Todos Podem Ser Frida”, da jovem artista Camila Fontenele de Miranda, no Barracão Cultural. Inspirada na pintora Frida Kahlo (1907-1954) – um dos maiores ícones da cultura popular mexicana -, a mostra 32 fotos do acervo do Museu da Diversidade Sexual, de São Paulo (SP). A entrada é gratuita.

Realizada numa parceria entre a Prefeitura de Sorocaba, por meio da Secretaria da Cultura (Secult), e o programa de itinerância de exposições do Museu da Diversidade Sexual, o objetivo do projeto é despertar o interesse do espectador para a vida e obra de Frida Kahlo, estimular a compreensão e valorizar a diversidade sexual por meio da arte.

“Todos Podem Ser Frida” traz fotos captadas em 2014 pela lente da fotógrafa Camila Fontenele de Miranda com os visitantes do Museu da Diversidade Sexual, que foram caracterizados como Frida Kahlo. A coletânea de imagens aborda a vida da artista mexicana a partir de cinco fragmentos dos fatos mais impactantes: “Frida por inteiro”, “O amor de Frida”, “A dor de Frida” “As cores de Frida” e “O aborto de Frida”.

O Barracão Cultural está localizado na Avenida Afonso Vergueiro, 310, no Centro, ao lado da Estação Ferroviária.

Sobre o projeto

O estudo e as fotos oficiais do projeto foram feitos entre junho de 2012 e julho de 2013, em Sorocaba. A produção foi realizada por artistas plásticos convidados pela artista Camila Fontenele de Miranda e os modelos todos do sexo masculino. A inversão de papéis e gênero foi propositadamente escolhida para mostrar que a imagem de Frida está presente nas várias nuances do ser humano. Além disso, essa questão está totalmente ligada aos rumores de sua bissexualidade.

Sobre a artista

Camila Fontenele de Miranda é natural de São Paulo, publicitária formada pela Universidade de Sorocaba (Uniso) e pós-graduada em Cinema, TV e Vídeo, pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo. Interessou-se por fotografia através de um workshop na Oficina Cultural Grande Otelo, em 2007, porém, a carreira de fotógrafa profissional só ocorreu em 2012.

A artista já percorreu três estados do Brasil (SP, RJ e MG) com seu projeto fotográfico “Todos podem ser Frida”, entre exposições e intervenções, e internacionalmente em Caserta, na Itália.

Em maio de 2013, Camila Fontenele recebeu o Mérito Artístico Cultural no grau de artista fotográfica pela produção do “Todos Podem Ser Frida”. Em 2016 ganhou o Prêmio Flávio Gagliardi de Artes Visuais, promovido pela Secretaria de Cultura de Sorocaba, com a obra fotográfica “Me escreva, pai”.

Suas inspirações percorrem da leitura às artes plásticas, como Frida Kahlo, Edward Hopper, Robert Mapplethorne, Marina Abramovic, Andrei Tarkovsky, Van Gogh, Jack Kerouac, Caio Fernando de Abreu, Patti Smith, Cesare Pavese, Anka Zhuravleva, Duane Michals, entre outros.

Tags:,