Endereço: http://agencia.sorocaba.sp.gov.br/tres-bolsistas-estao-participando-do-projeto-a-mariposa/
Acessado em: 28/05/2024 - 17h40

Três bolsistas estão participando do Projeto “A Mariposa”

Por: Mariana Campos – macampos@sorocaba.sp.gov.br

Três pessoas foram selecionadas e já estão participando como bolsistas do Projeto “A Mariposa: Procedimentos sobre o que se transforma com o corpo”, do proponente Julio César Scandolo. São eles: Ivanise Regina de Carlo, Andréa Marques Machado e Vitor Mota. Cada um dos participantes receberá uma bolsa de estudos no valor de R$ 300 por mês, durante seis meses, para acompanhar, três vezes por semana, o processo de criação do espetáculo de novembro deste ano a abril de 2016.

O projeto de pesquisa teatral e estética contemporânea foi viabilizado por financiamento da Prefeitura de Sorocaba, através da Lei de Incentivo à Cultura de Sorocaba (LINC). De acordo com a Secretaria da Cultura (Secult), o projeto recebeu uma verba de R$ 51.055,00.

Neste período, os bolsistas terão a oportunidade de participar de ensaios, palestras, oficinas, apresentações, preparação corporal e vocal, além de acompanhar de perto a produção e as apresentações, bem como trabalhar na técnica do espetáculo. Trata-se de uma das contrapartidas do projeto.

De novembro a março, os encontros ocorrerão às segundas e quartas-feiras, das 18h30 às 21h30, e aos domingos (uma vez por mês), das 15h às 18h, na Camarim Casa do Ator, totalizando nove horas semanais. Já de março a abril de 2016, eles participarão das atividades às sextas-feiras e aos sábados, das 15h às 22h.

Além disso, serão realizadas – como contrapartida do projeto – as oficinas “Corpo e voz como protagonistas da teatralidade”, com João Armando Fabbro, e “Mímica corporal dramática”, com Evelyn De Marchi; além de duas palestras: “Dramaturgia Processual”, com Egla Monteiro; e “O corpo nas artes”, com Cleide Campelo. As atividades serão abertas ao público.

Para a realização do projeto de pesquisa, o grupo escolheu o conto “Mariposa, a Mulher Borboleta”, do livro “As Mulheres que Correm com os Lobos: Mitos e Histórias do Arquétipo da Mulher Selvagem”, de Clarissa Pinkola, como norteador do projeto.

“Não é uma inspiração, mas um norteador do nosso projeto, para falar do corpo do feminino e do corpo, mas como um corpo que sente, um corpo que vivencia no seu cotidiano, questões que algumas vezes não são tão bem trabalhadas. A mídia, por exemplo, coloca o ideal de corpo e nós vamos resgatar a dança e a dramaturgia do corpo no corpo que a gente tem”, explica Julio César Scandolo.

Os artistas envolvidos neste processo são Douglas Emilio, Raquel Ornelas, Maria Helena Barbosa, Hamilton Sbrana, Julio Cesar Scandolo, Silvana Sarti, Lelis Andrade, Cleide Campelo, Jaime Pinheiro, Egla Monteiro, Camila Fontenelli, Felipe Cruz, Rodrigo Cavalheiro, João Armando Fabbro e Evelyn De Marchi.

O espetáculo preparado pelo grupo tem previsão de estreia para o mês de março do ano que vem, com apresentações até abril. No total, serão realizadas doze apresentações nos seguintes locais: na Camarim Casa do Ator, na Trupé de Teatro, na Oca – Nativos Terra Rasgada e na Oficina Cultural Regional Grande Otelo.

Sobre A Mariposa

O objetivo do Projeto “A Mariposa: Procedimentos sobre o que se transforma com o corpo”, além do entretenimento, é estimular o público ao exercício de reflexão, tornando-o atuante, crítico e transformador do seu contexto, a partir de uma abordagem da arte contemporânea. O projeto também quer celebrar e fomentar a cena dos grupos teatrais da cidade nos seus próprios espaços culturais conquistados.

A ideia é ampliar o repertório e o entendimento de teatro contemporâneo, demonstrando a prática artística ao expectador através de debates após as apresentações, em especial a pesquisa do grupo, que existe desde 2013, sobre corporalidade, demandas de composição, dramaturgia do corpo e expressividade.

O projeto promove o encontro de artistas de gerações distintas, com o propósito de estabelecer um diálogo inventivo, fértil e solidário, que esteja conectado com o mundo contemporâneo e que possa revelar linguagens, caminhos e modos de vida que sejam afirmativos.